sábado, 19 de fevereiro de 2022

As possibilidades das formas para moldar concreto aparente

Peter Zumthor, em uma de suas obras mais emblemáticas, dá ao concreto uma dimensão quase sacra. Trata-se da pequena Capela de Bruder Klaus, em um vilarejo na Alemanha, uma construção ao mesmo tempo robusta e sensível. O cimento branco, misturado a pedras e areia da região, trazem um tom terroso à construção. As 24 camadas desse concreto foram despejadas, dia após dia pela mão de obra local, e comprimidas em uma forma pouco usual. Seu exterior plano e liso contrasta com a outra face, feita de troncos de madeira inclinados, que forma um vazio triangular. Para remover as formas internas, os troncos foram incendiados em um processo controlado, reduzindo os troncos a cinzas e criando um interior carbonizado, variando entre o preto e o cinza, com a textura dos negativos dos troncos que outrora continha o concreto líquido. O resultado é uma obra prima da arquitetura, um espaço de reflexão e transformação, em que o mesmo material aparece de maneiras diametralmente opostas.

Zumthor é um gênio no uso do concreto, mas o fascínio dos arquitetos com o concreto aparente não é novo e parece que não acabará tão cedo. O material é uma mistura fluida de cimento, areia, brita e água, podendo receber outros componentes secundários, que aceita e assume a forma do volume onde foi despejado. Ao ser desformado, evidencia, como uma impressão, a superfície de onde estava contido. Ao especificar uma superfície em concreto aparente, talvez o que mais interfira no resultado final seja a forma utilizada. Há um mundo de possibilidades entre as tábuas de madeira e formas metálicas modulares, que proporcionarão superfícies desde rústicas a muito suaves. Em tese, qualquer superfície impermeável pode ser uma forma. Uma porta, um pedaço de telha e até tecidos resistentes e moldes leves podem servir. Importante levar em conta, além da estética desejada, questões de sustentabilidade e, principalmente, de custos das formas para indicar o ideal para cada situação.

Para saber mais, Confira!











Via: Archdaily
ditora: Carolina Tomazoni Siniscarchio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.