quinta-feira, 18 de novembro de 2021

Reimaginando o modernismo de Brasília

Há mais de 60 anos, Brasília surgiu do interior do Brasil. Desenvolvida em um cerrado deserto entre 1956 e 1960, a cidade que substituiu o Rio de Janeiro como capital do país foi um empreendimento conjunto do urbanista Lúcio Costa e do arquiteto Oscar Niemeyer. Com sua forma alada, Brasília tornou-se um poderoso símbolo, pois representa uma das mais puras encarnações da esperança, do esplendor e da ingenuidade da arquitetura do século 20. Mas, bastam apenas algumas horas aqui para ver que esta metrópole utópica — Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1987 — é atormentada por defeitos de planejamento urbano.

O problema mais óbvio é uma série de opções de projetos que privilegiam motoristas. A força do automóvel está cimentada no eixo principal de Brasília, o Eixo Monumental de 15 quilômetros. Enquanto municípios em todo o mundo estão hoje competindo para tornar suas ruas mais seguras para pedestres e ciclistas, os barulhentos motores e pneus de Brasília são um lembrete gritante de quantos urbanistas do século 20 imaginaram um futuro inextricavelmente ligado ao carro. Agora devemos lutar para superar as visões que eles pavimentaram.

Em Brasília, essa visão é de uma vida que só passa pelas artérias automotivas da cidade. Os edifícios estão localizados a grandes distâncias uns dos outros, espalhados ao longo de amplas esplanadas. As obras-primas de Niemeyer nos consolam com suas formas curvas. Estas são as curvas, escreveu ele, que “encontramos nas montanhas, nas ondas do mar e no corpo da mulher que amamos”.Outra desvantagem de Brasília é sua rígida divisão funcional. Isso afeta ainda mais o planejamento da cidade. Em uma das minhas primeiras visitas, estava admirando a catedral de Niemeyer, que floresce com seus pistilos de concreto na Esplanada dos Ministérios, quando um jovem engenheiro local do nosso grupo fez uma piada contundente: “Você sabe o que realmente não funciona nesta cidade? O bairro do café expresso fica longe do bairro do açúcar."

Ademais,  Carlo Ratti vai além e mostra as problemáticas existente na grande Capital. Vale apena conferir!


VIA ARCHDAILY
_________________________________
Editora: Maria Karolina Milhomens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.