quarta-feira, 16 de março de 2022

Relações de poder e desigualdade em mapas: uma análise urbana através da cartografia



A humanidade como a conhecemos hoje é resultado de séculos e mais séculos de fenômenos naturais e migratórios complexos responsáveis por forjar a aparência geográfica e humana do planeta no qual habitamos. Humanos são seres sensoriais, e como tais, se relacionam com o mundo através de suas experiências vividas, mas, além disso, há outra forma pela qual podemos compreender o mundo no qual vivemos, isto é, através da uma representação bidimensional inventada pelo homem — os mapas. A cartografia, muitas vezes, é utilizada para delinear fronteiras e estabelecer limites, e desta forma têm sido utilizada historicamente como uma ferramenta de opressão e segregação.

Embora muito úteis para aqueles que navegam ou para os que procuram localizar determinadas coordenadas em um território, além de nos permitir compreender melhor a vasta escala de nossas cidades, países e continentes, mapas também têm muitas limitações. A projeção cilíndrica do globo terrestre, ou Projeção de Mercator, é um ótimo exemplo de como a cartografia bidimensional distorce fortemente a realidade física e visível.

Este efeito é responsável por uma série de imprecisões geográficas, como a Groenlândia, que nos mapas de projeção cilíndrica, parece equiparável à América do Sul, quando na verdade, possui apenas um oitavo de sua área. No que se refere ao planejamento urbano, mapas são utilizados como uma ferramenta auxiliar para determinar a forma e a maneira como construimos nossos espaços urbanos. Entretanto, esses mapas tendem a ser vistos apenas como estruturas auxiliares e representativas, completamente desconectados da miríade de experiências “reais” que compõe um determinado território físico.

Nos dias de hoje, felizmente, temos testemunhado uma completa mudança de direção em relação ao planejamento urbano e as políticas públicas em diversas cidades e países. Mapas representativos são complementados com informações coletadas “in loco”, dados oriundos também de uma maior participação e engajamento das comunidades locais afetadas. Vemos nas sociedades de hoje um número quase infinito de ferramentas legais à disposição dos planejadores e urbanistas mas não só, permitindo ainda que os cidadãos possam criar seus próprios mapas desde o conforto de suas casas. 

Para melhor compreendermos como funcionam os assentamentos urbanos, precisamos observar com atenção as imagens de satélite que nos mostram como uma determinada cidade é e opera. E mais do que isso, devemos procurar entender também a história do lugar e das experiências das pessoas que ali vivem em primeiro lugar, e não apenas confiar cegamente no que nos diz o primeiro mapa que encontramos pelo caminho.

Posto isso, o Archdaily separou e analisou algumas cartografias que mostram a importancia desses elementos. Vale a pena conferir!



VIA ARCHDAILY

_________________________________
Editora: Maria Karolina Milhomens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.