sexta-feira, 4 de março de 2022

Biblioteca Nacional da França finalmente é concluída após 10 anos em reforma

Anteriormente conhecido como Bibliotheque du Roi, o Richelieu da Biblioteca Nacional da França, perto do Palais-Royal, finalmente concluiu a construção após quase 10 anos de reformas. A transformação do local de 300 anos incluiu restaurações de fachadas, instalação de um jardim interno e manutenção de instalações, promovendo inovação, modernidade e abertura para um público mais amplo. O projeto, que é uma biblioteca e um museu, continuará a abrigar um enorme campus para a história das artes e do patrimônio, e proporcionará aos visitantes um local para caminhadas, descobertas e intercâmbios. O local está previsto para ser aberto ao público no verão de 2022.

O trabalho realizado na biblioteca é considerado um dos principais projetos liderados pelo Ministério da Cultura e Comunicação da França com o apoio do Ministério da Educação Nacional, Ensino Superior e Pesquisa. Os arquitetos responsáveis pela reforma foram o Atelier Bruno Gaudin, junto com EGIS, CASSO e 8’18. Os visitantes podem acessar a biblioteca em uma rota do Louvre à Ópera, perto do Palais-Royal e da Comédie Française. Suas duas entradas na rue Vivienne e rue de Richelieu se tornarão um ponto focal da cidade, convidando os visitantes a descobrirem um patrimônio excepcional no coração de Paris. O site de Richelieu oferecerá ao público espaços totalmente redesenhados, incluindo um novo museu com um percurso que contará a história da antiguidade até os dias atuais de forma cronológica e temática.

A estrutura monumental foi reformada para preservar seu acervo histórico e manter os padrões internacionais de segurança e acessibilidade. Após a reforma, mais de 20 milhões de documentos foram conservados na nova biblioteca. 30.000 m² do total de 58.000 m² do edifício foram reformados ao longo de 10 anos. A primeira fase da obra, que decorreu de 2011 a 2016, incluiu remodelações na metade do edifício localizado ao longo da Rue de Richelieu, que inclui espaços expositivos, livraria, um café, espaços educativos e lojas comerciais. De 2017 a 2021, foram realizadas obras de renovação na metade do edifício que se encontra ao longo da Rue Vivienne, que inclui a galeria Mazarine, a sala oval, o Gabinete do Rei, o jardim Vivienne e o museu.

Para saber mais, Confira! 


Via: Archdaily 
Editora: Carolina Tomazoni Siniscarchio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.