sábado, 6 de novembro de 2021

Estudantes de arquitetura constroem moradias para população de baixa renda nos Estados Unidos




Um dos edifícios mais emblemáticos da cidade de São Paulo, o Copan está mais próximo, agora, de ter o processo de restauração de sua fachada iniciado. O projeto elaborado pelo Instituto Pedra, órgão especializado em intervenções para patrimônios culturais, foi aprovado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e deve ter a versão final entregue até o final deste ano.  

Tombado como patrimônio histórico da cidade de São Paulo desde 2012, o edifício já apresenta problemas em sua fachada há muitos anos – especialmente a queda de pastilhas do revestimento que vêm se descolando, chegando a causar acidentes.  

Apesar do projeto prever a solução dessas questões em caráter emergencial e das aprovações necessárias já terem acontecido, a falta de verba ainda deixa em aberto a data prevista para início das obras. Para entender melhor toda essa situação, Casa Vogue explica abaixo tudo o que você precisa saber sobre a restauração da fachada do Copan.  

História

Com quase 70 anos desde o início de sua construção, o Copan se tornou um dos maiores símbolos da arquitetura modernista no Brasil. Projetado por Oscar Niemeyer, com auxílio de Carlos Lemos, o edifício surgiu em meio ao boom imobiliário e a expansão da verticalização da capital paulista, característicos dos anos 1950. 

Localizado na região central, o intuito inicial era que o Copan funcionasse como um complexo hoteleiro formado por dois prédios: um em formato de S, como conhecemos, para abrigar apartamentos residenciais, e outro retangular, logo à frente, onde funcionaria o hotel em si. 

As obras tiveram início em 1952, mas questões políticas e econômicas causaram paralisações na construção e troca de empresas responsáveis pelo financiamento do edifício, ocasionando, também, a substituição do hotel pela sede de um banco no prédio à frente do complexo.  

O Copan é formado por seis blocos (de A até F), sendo eles constituídos de kitnets e apartamentos de 1, 2 ou 3 dormitórios. As entregas dos blocos foram acontecendo aos poucos, até que a construção fosse totalmente finalizada em 1972.  

Desde os anos 1990, os próprios moradores do edifício se organizam em busca de ações de melhorias, com incentivo da prefeitura e de planos de revitalização do centro da cidade. Mesmo com os reparos realizados ao longo das últimas décadas, a fachada do Copan vem sofrendo constante deterioração e desprendimento de suas pastilhas desde os anos 2000.  

Após 10 anos de negociações entre o conselho do condomínio, o Conpresp e o Departamento de Patrimônio Histórico (DPH), mesmo período em que o edifício passou a ficar coberto por uma tela de proteção em toda sua fachada principal, o prédio está agora mais perto de ter sua suntuosidade restaurada.  Para mais informações, Confira!


Via Casa Vougue
Imagens: Bruna Martins | Fotos: Getty Images
Divulgação/CopanSP
____________________
Editora: Naely

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.