terça-feira, 16 de novembro de 2021

A importância arquitetônica, cultural e religiosa dos minaretes

A arquitetura islâmica há muito é reconhecida como uma das tipologias mais influentes na história da arquitetura, especialmente em se tratando de edifícios religiosos. Traduzindo uma série de conceitos abstratos e narrativas históricas em em formas, estruturas e cores, os espaços interiores da arquitetura islâmica são de uma beleza sublime e as vezes incomparável. Seja através da organização metódica de seus espaços internos para facilitar e promover a iluminação e ventilação natural, ou através de seus detalhes, ornamentos e profusão de cores e texturas, o contraste entre o espaço interior e exterior é mais do que evidente em uma mesquita. Ainda assim, talvez a característica mais reconhecível da arquitetura religiosa islâmica seja a presença imponente de seus minaretes—um dos maiores símbolos da cultura islâmica. Isso porque, a estrutura proeminente dos minaretes estabeleceu-se ao longo dos séculos como um ponto de referência em meio a intrincada malha urbana das cidades islâmicas, transformando-se não apenas em um importante elemento de orientação, mas principalmente em um símbolo de identidade. 

Formalmente, uma mesquita é composta por quatro elementos principais: um pátio aberto, um espaço coberto, uma sala de orações e um minarete. No interior do espaço principal, sobre a estrutura de uma grande cúpula, encontra-se uma parede chamada de Qibla (que aponta a direção de Meca), e um Mehrab, um nicho semicircular utilizado pelo Imam da mesquita e o Minbar, uma espécie de assento elevado desde onde ele conduz os fiéis em momentos de prece. Além de seu evidente papel como espaço de culto e fé, a mesquita é também um espaço de valor cultural e social para o Islã, desempenhando um papel central na vida em comunidade.

Durante a antiguidade, o Athan, ou chamada para os momentos de oração, era realizado desde o ponto mais alto da mesquita para alcançar o maior número possível de fiéis. Neste sentido, a localização assim como a própria arquitetura desempenhavam um papel fundamental na operação de uma mesquita. 

O que sim é certo, é que ao longo de sua história os minaretes evoluíram, assumindo diferentes formas e configurações, tornando-se cada vez mais altos e complexos. Comumente, um minarete se estabelece sobre uma base retangular junto a uma das extremidades da mesquita e, conforme a estrutura vai ganhando altura, ela vai assumindo diferentes seções e incorporando distintas aberturas.

Mesquitas costumam ter de um a seis minaretes, dependendo do tamanho da estrutura principal e de sua relação física e visual em relação ao seu entorno imediato. Em termos de acesso, minaretes contam ou com uma escadaria interna ou externa, a qual o Almuadém utiliza para chegar a plataforma mais elevada. Em alguns casos particulares, como na Grande Mesquita de Samarra no Iraque, também conhecida como Malwiya, o minarete é a própria estrutura da escada — uma rampa em espiral que também pode ser acessada pelos fiéis e visitantes.

Vale apena conferir e se apronfundar nessa arquitetura tão importante para a humanidade!


VIA ARCHDAILY
_________________________________
Editora: Maria Karolina Milhomens


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.