sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Usina produzirá asfalto com resíduos de obras em SP



No início de novembro, a Sabesp assinou o contrato para a implantação de uma usina de reciclagem que vai produzir base asfáltica a partir de resíduos das obras de saneamento da companhia. Essa solução sustentável vai melhorar a qualidade da reposição do pavimento nos serviços que a Sabesp faz de reposição de pavimento nas ruas de São Paulo.

Com a reciclagem dos resíduos de obras, o descarte em aterros vai ser reduzido. A usina de reciclagem foi contratada por meio de licitação, vencida pelo consórcio Reintegrar, formado pelas empresas Fremix e Soebe. Serão investidos no projeto R$ 29,6 milhões em 30 meses.

Asfalto espumado

A usina vai produzir asfalto espumado, obtido por técnica que utiliza injeção de ar e de água sob pressão no cimento asfáltico aquecido. Além de mais sustentável, este asfalto tem uma capacidade maior de sustentável, este asfalto tem maior capacidade maior para suportar o tráfego de veículos.

A recomposição da via com o asfalto espumado dá mais flexibilidade ao pavimento, reduz os riscos de surgimento de trincas e possibilita a liberação imediata para o tráfego.

A matéria-prima para a produção do asfalto serão as sobras das obras da Sabesp, como as de implantação de redes de água e esgoto que geram pedaços de asfalto, concreto ou sarjeta, por exemplo. Também serão usados os resíduos das obras do projeto do Novo Rio Pinheiros, programa de saneamento na bacia para despoluir o rio até 2022 que também usará o novo asfalto quando a produção começar.

“Com isso ganhamos em várias frentes: não depositando um material que tem valor energético excelente, dando exemplo para a população de que os resíduos devem ser reciclados e, além de tudo, fazendo algo de maior tecnologia do que o existente, ou seja, gerando uma melhoria das condições. Isso vai gerar maior satisfação na população”, explicou a diretora da Escola Politécnica da USP, Liedi Bernucci, durante o evento de assinatura do contrato. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Ciclo Vivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários são bem vindos.
Desde que não sejam comentários anônimos.