sexta-feira, 3 de julho de 2020

CAU/GO apoia criação de vias exclusivas para bicicletas em Goiânia

Em meio aos crescentes números da epidemia do novo coronavírus em Goiânia e demais cidades do Estado, o CAU/GO vem a público manifestar apoio à proposta de criação de faixas exclusivas para o transporte em bicicleta. A medida foi apresentada na Câmara de Vereadores da capital pelo vereador Álvaro da Universo e deve ser votada em plenário.

O transporte em bicicleta, tal como a mobilidade a pé, é uma alternativa viável bastante importante para que os cidadãos se locomovam entre seus destinos na cidade, contribuindo assim para minimizar as aglomerações no transporte coletivo.

Como é sabido e diuturnamente divulgado pelos meios de comunicação e pela comunidade científica, o distanciamento social é fundamental para reduzir os riscos de contaminação pelo covid-19.

Via CAU-GO

quarta-feira, 1 de julho de 2020

Exposed Arquitetos Br

A "Exposed Arquitetos Br" é uma página destinada a expor casos de funcionários ou ex-funcionários, de escritórios de arquitetura e urbanismo, que sofreram com sobrecarga de trabalho, pressão psicológica, remuneração abaixo do piso da categoria, demissão sem justa causa ou qualquer episódio que mereça ser exposto por sair dos princípios e direitos de qualquer funcionário.

Os relatos divulgados são anônimos, e expor um escritório é opcional, porém a página tem o cuidado de não publicar nomes. A intenção é apenas expor os problemas, abusos e excessos praticados por alguns escritórios de arquitetura, trazendo uma reflexão sobre a postura, ética e sobre a necessidade de fiscalização frente às más remunerações e excessos, visto que alguns escritórios se aproveitam de seus colaboradores e/ou estagiários.

Vale o Clique!



Editor:
Altillierme Carlo

terça-feira, 30 de junho de 2020

Cartilha grátis ensina técnicas de bioconstrução

A bioconstrução se baseia no princípio de que é possível construir tendo um impacto ambiental muito baixo. Para promover este conceito e apresentar técnicas práticas, o Ministério do Meio Ambiente disponibiliza gratuitamente uma cartilha on-line para capacitação e informação acerca do tema e suas devidas metodologias.

Apesar de ter sido criado para um curso do Programa de Apoio ao Ecoturismo e à Sustentabilidade Ambiental do Turismo – Proecotur, o material é extremamente útil para quem deseja entender melhor a bioconstrução e conhecer detalhes de diferentes técnicas sustentáveis e ambientalmente corretas de

Um dos intuitos desta cartilha é oferecer opções para que as comunidades tenham autonomia e sejam capazes de, através de técnicas tradicionais, garantirem suas necessidades sem a dependência de outros grupos. Neste sentido, o primeiro passo é pensar além do comum, é enxergar todos os materiais, sejam eles naturais ou residuais como matéria-prima em potencial.

Utilizar materiais locais, como terra, pedra, palha e madeira é outro ponto de destaque na cartilha. Com esta mudança de paradigmas, o programa passa para a segunda etapa, a observação das condições climáticas, para que os elementos naturais, como o sol e o vento, sejam usados como aliados na obra.

A apresentação de diferentes técnicas tradicionais e eficientes para a construção forma o terceiro bloco de instruções. Superadobe, adobe, COB, taipa de mão, taipa de pilão, são apenas algumas das metodologias apresentadas com detalhes e exemplos práticos. Os cuidados necessários com o abastecimento e saneamento também estão detalhados no material.

O livreto é indicado para qualquer pessoa que queira aprofundar seus conhecimentos acerca da bioconstrução e também para quem deseja iniciar uma obra sustentável e não sabe por onde começar. Além de ter menos impactos ambientais, este tipo de construção custa muito menos do que as tradicionais.

Para o download da cartilha, Vale o Clique!

Via Ciclo Vivo

sexta-feira, 26 de junho de 2020

Participe do Sorteio nº01, do Paralelo Amarelo!





Corre lá no nosso Instagram @paraleloamarelo, confira as regras na Foto Oficial e Boa Sorte!

O Paralelo Amarelo está crescendo e temos muitas novidades a caminho! Para comemorar com vocês, que tal ganhar o Livro "Paulo Mendes da Rocha - Casa Butantã"?

O sorteio será no Sábado, dia 03 de Julho de 2020 às 18:00.



Leituras de Quarentena: Piseagrama

Em meio à uma realidade que imagino que nem eu nem o leitor estaríamos vivendo, uma pandemia e com ela o distanciamento social, me encontrei (e encontro-me) a procura de momentos de pequenos prazeres durante o dia. Seja olhar para a janela e imaginar algo nas nuvens, seja me esquentar em uma xícara ao esperar que meu chá fique pronto. Enfim, prazeres que ao final do dia me façam perceber que o dia valeu à pena. Durante a busca por novos momentos de felicidade um professor recomendou uma leitura de um post de uma revista chamada Piseagrama, “uma plataforma editorial dedicada aos espaços públicos – existentes, urgentes e imaginários –  e além da revista semestral e sem fins lucrativos, realiza ações em torno de questões de interesse público como debates, micro-experimentos urbanísticos, oficinas, campanhas e publicação de livros” (definição no site da revista).

    Meu primeiro pensamento ao abrir o link que ele havia compartilhado, foi a profundidade que o as imagens e o título carregavam. Após a leitura vieram as reflexões sobre o tema, que iam e vinham em minha cabeça durante o dia. Definitivamente, minha procura por pequenos prazeres teria sido encontrada naquele dia, o post que se tratava de uma abordagem sobre a forma como o ser humano viveu e tem vivido e suas consequências futuras ao planeta me trouxe momentos de satisfação ao pensar como será o mundo pós pandemia.

Venho aqui indicar ao querido(a) leitor(a) que assim como eu procura pelo prazer momentâneo, o portal Piseagrama. Que aborda em um total de 13 edições questões que envolvem a sociedade atual com temas desde questões raciais até questões distópicas. Disponibilizada gratuitamente e sem fins lucrativos. Textos que talvez exigem duas leituras para melhor compreensão mas que lhe irão garantir reflexão e entendimento da realidade na qual vivemos.

E se você é um leitor ou leitora que prefere ter em mãos o que está lendo, existe a possibilidade de comprar exemplares denominados pela própria equipe do Piseagrama como "Leitura de Quarentena".

Vale o clique!



Editor:
Heitor Rocha

Fotos: MALM, Andreas. O mito do antropoceno. PISEAGRAMA, Belo Horizonte, número 08, página 24 - 31, 2015.

quinta-feira, 25 de junho de 2020

Concurso Cultural de Fotografia

O #festivalfotobsbDaJanela é uma iniciativa vinculada ao Foto BSB – Festival Internacional de Fotojornalismo, primeiro festival dedicado exclusivamente ao tema no Brasil, e que propõe a promoção da fotografia jornalística. Sua realização será 100% online, conduzida por grandes nomes do fotojornalismo no Brasil e no mundo, entre os dias 16 e 19 de agosto de 2020.

O Concurso  convida fotógrafos  a documentar o seu momento de confinamento, seja através das janelas, seja no seu cotidiano, ou seja nos momentos que são imprescindíveis de saída a rua. O objetivo é criar uma reflexão documental sobre o interior e o exterior das casas, das janelas, das varandas em tempos de pandemia.
Serão selecionadas 20 fotografias que serão expostas em uma galeria especial no site e redes sociais do projeto, acompanhadas de uma breve análise dos curadores do concurso. As inscrições vão até 01 de agosto às 18 horas.

Serão selecionados 3 autores para integrar a programação do Foto BSB, participando de uma mesa redonda com o editor, curador e fotojornalista Toni Pires. Os selecionados receberão um cachê de R$ 800,00 (oitocentos reais) * cada.

Para participar, você deve encaminhar sua foto por e-mail, enviar junto da foto no corpo do email o seu ig no Instagram para que seja possível a marcação da foto pelo autor e seguir o
perfil do Festival no Instagram e curtir a página do Festival no Facebook (@festivalfotobsb).

Escolha a sua melhor foto e boa sorte!
Mais informações sobre o regulamento, Vale o Clique!



Editor:
Lucas Carilli

quarta-feira, 24 de junho de 2020

Vencedores do Concurso Parklet 4.0 - Portal Projetar

No dia 15 de junho deste ano foi divulgado o resultado do 34º concurso de ideias do Portal Projetar. Neste concurso, o desafio era que as equipes criassem em local à sua escolha um parklet que explorasse as interseções entre arquitetura e tecnologia, ou seja, um espaço de convivência urbana no âmbito da indústria 4.0.

Conquistou a primeira colocação a acadêmica Paola Bonetto Ferrari da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG - Belo Horizonte/MG.

Para conferir todos os premiados e menções honrosas, Vale o Clique!

Via Projetar.Org



Editor:
Altillierme Carlo

sábado, 20 de junho de 2020

O futuro da arquitetura


A arquitetura é uma das profissões mais antigas que existem desde as primeiras intervenções do homem na pré-história dentro das cavernas até as construções contemporâneas. Essa cumplicidade entre a evolução humana e as construções espaciais sempre existiu e espera-se que continue existindo. Com o avanço tecnológico, algumas ferramentas começaram a participar cada vez mais do cotidiano de muitos profissionais como a Inteligência artificial (I.A), e com o esgotamento dos recursos naturais, finitos, a sustentabilidade será uma necessidade cada vez mais exigida nas construções do futuro.



A arquitetura sustentável procura constantemente soluções para que a construção tenha o menor impacto negativo no meio ambiente, pensando na reciclabilidade dos materiais e na sua degradação, além do conforto e qualidade de vida dos habitantes. Projetos como casas de papelão e de outros materiais reciclados e renováveis já são realidade em diversos lugares do mundo, além de serem menos nocivos à natureza. Outras soluções encontradas para causar um impacto positivo ao planeta, foram as chamadas florestas verticais que têm o objetivo de capturar toneladas de dióxido de carbono anualmente e produzir diariamente oxigênio, utilizando uma grande quantidade de árvores e arbustos plantados em um edifício residencial.






Tendo como referência o projeto do escritório de arquitetura Boeri Studio desenvolveram a Bosco Verticale, primeira floresta vertical do mundo. Além disso, há também o grande avanço tecnológico e com ele ferramentas como a I.A. Uma de suas possíveis aplicações é o  Design Generativo (DG), no qual revoluciona o processo de criação do projeto arquitetônico, gerando imagens realistas a partir de frases complexas. O DG faria de uma frase a combinação de diversas possibilidades para encontrar a melhor possível levando em conta alguns filtros como custo e eficiência energética.



Com isso, projetar se tornará uma conversa com a máquina sobre a arquitetura que queremos. Em suma, deve-se esperar uma arquitetura que acompanhe a evolução humana, explorando todas as possibilidades e todas as suas tecnologias, como a I.A, em prol de um mundo menos nocivo ao meio ambiente e mais integrado à ele. Entretanto, para que isso aconteça há de sermos resilientes e inovadores, nos reinventando diariamente.





"A Arquitetura não segue ciclos econômicos ou de moda, segue ciclos de inovação gerados por desenvolvimentos sociais e tecnológicos. A sociedade contemporânea não para e as edificações precisam evoluir com novos padrões de vida para corresponder às novas necessidades”. – Zaha Hadid

Editor:
Lucas Carilli
Equipe Paralelo Amarelo 




sexta-feira, 19 de junho de 2020

5 séries para maratonar na quarentena

Nesse momento de reclusão social há de se manter a saúde mental em dia e para que isso aconteça é necessário consumir conteúdos que agreguem e inspirem. Pensando nisso, fizemos esta lista de séries sobre arte, arquitetura e design disponíveis em diversas plataformas, sendo algumas delas gratuitas.

Arquiteturas - Sesctv/Youtube
A série Arquiteturas, do Sesctv, conta com diversos capítulos com cerca de 50 minutos cada. Ela apresenta uma narrativa  documental e intuitiva com diversas construções brasileiras de grandes arquitetos, incluindo uma breve biografia destes, que deixaram sua marca no cenário da arquitetura nacional e global. Entre eles, a arquiteta Lina Bo bardi, na qual ganha um episódio, em que mostra uma de suas maiores obras, O sesc Pompeia em  São Paulo.

Abstract - Netflix
Atualmente com duas temporadas e 14 episódios, a série Abstract, aborda por capítulo um artista diferente que inova em seu nicho, como arquitetos, fotógrafos e designers. O primeiro episódio da segunda temporada conta a história e o trabalho de um importante designer, Olafur Eliasson, que possui grandes obras de imersão, trabalhando com a luz e as cores. Ele cria experiências sensoriais incríveis em suas intervenções.

As Casas mais Extraordinárias do Mundo - Netflix
"As Casas mais Extraordinárias do Mundo" (The World's Most Extraordinary Homes) é uma série documental britânica, transmitida pela BBC. Também disponível no Streaming Netflix. Apresentada pelo arquiteto Piers Taylor e pela atriz Caroline Quentin (do elenco de House of Cards) apaixonada por arquitetura, a série conta hoje com 3 temporadas. Os dois viajaram pelo mundo em uma expedição à procura de residências com lugares e soluções inusitadas, inteligentes e fora dos padrões convencionais, passando por países como Noruega, Estados Unidos, Suíça, . Esta envolvente série apresenta em média 3 residências por episódio e ao fim de cada um, fica a vontade de ver mais e mais. Indicada para apaixonados por arquitetura, design e soluções inovadoras.

Reforme na Baixa, Fature na Alta - Netflix
A série "Reforme na Baixa, Fature na Alta" (Stay Here) apresenta estratégias para realçar as características, o potencial e a história de estruturas e casas, além de mostrar dicas de como empreender no mercado imobiliário com estratégias para tornar um negócio de locação mais interessante e atrativo ao estilo Airbnb, tanto no cuidado com o imóvel, como na forma de apresentar. A série é apresentada pela designer Genevieve Gorder e pelo especialista de mercado imobiliário Peter Lorimer. Disponível na Netflix.

Irmãos à Obra - Discovery Home & Health
Atualmente, Irmãos à Obra é uma das séries voltadas à arquitetura e reforma mais populares do mundo. Ela mostra o trabalho dos parceiros e irmãos gêmeos Jonathan, empreiteiro, e Drew Scott, corretor imobiliário. Nos episódios, eles ajudam os clientes a encontrarem a casa ideal e reformam o lugar. A transmitida pelo Discovery Home & Health, conta com 2 temporadas disponíveis também no Streaming Netflix.

São ótimas séries para maratonar em família. Prepare a pipoca, o bloco de notas, um bom café, sente-se e aprecie. Vale o Clique!


Editores:
Altillierme Carlo
Lucas Carilli
Equipe Paralelo Amarelo



quinta-feira, 18 de junho de 2020

Sorteio nº01 - Paralelo Amarelo







O Paralelo Amarelo está crescendo e temos muitas novidades a caminho! Para comemorar com vocês, que tal ganhar o Livro "Paulo Mendes da Rocha - Casa Butantã"?

O sorteio será no Sábado, dia 03 de Julho de 2020 às 18:00.

Corre lá no nosso Instagram @paraleloamarelo, confira as regras na foto oficial e Boa Sorte!

PodCast #019 - A história do Paralelo Amarelo

Tudo bem? Estamos de volta, o podbrou o podcast do blog do bráulio retorna e vem com um episódio o nosso 001_019 que conta a história do blog, do podcast, enfim...de tudo ou quase...

Abordamos o crescimento do Blog, a transição de Blog do Bráulio para Paralelo Amarelo e do PodCast Podbrou para Carambola Doce.

A trilha sonora e uma música no final é do gaitista Flávio Guimarães - é, nós curtimos um blues.

Vale o clique e a audição!

Envie suas sugestões de pauta, e de trilha sonora para o paraleloamarelocontato@gmail.com!

Bom estar de volta!!!


Editores:
Altillierme Carlo
Bráulio Vinícius
Equipe Paralelo Amarelo

segunda-feira, 15 de junho de 2020

Memorial Brumadinho, por Gustavo Penna

O projeto arquitetônico do escritório de arquitetura GPA&A (Gustavo Penna e Associados), fundado pelo arquiteto mineiro Gustavo Penna, foi escolhido pela Associação dos Familiares de Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem Mina Córrego do Feijão Brumadinho (Avabrum) para a construção do Memorial Brumadinho, em homenagem às vítimas do rompimento da barragem, ocorrido em 25 de janeiro de 2019. O projeto foi idealizado para homenagear a memória das pessoas que perderam suas vidas, por meio de um espaço que seja um local de acolhimento e convívio comunitário.

O Memorial Brumadinho terá cerca de 1.220 m² de área construída e será erguido em um terreno de cinco hectares escolhido pela Avabrum e adquirido pela Vale, que também é responsável por contribuir tecnicamente e viabilizar a construção do espaço. O projeto  foi pensado para gerar no visitante uma experiência sensorial, individual e coletiva, de reflexão sobre a memória e a dor que o rompimento deixou na comunidade, por meio de simbologias cheias de significado. Ao arvoredo original do terreno será incorporada a plantação de 272 ipês-amarelos, árvore símbolo do Brasil, como sinal de respeito e culto à memória de cada uma das vítimas.

A entrada no Memorial será constituída por um pavilhão com forma distorcida e fragmentada, que representará os sonhos das vítimas. A invasão da lama será simbolizada por um ambiente escuro, iluminado apenas por frestas de luz no teto. A cada dia 25 de janeiro, exatamente às 12h28, dia e horário precisos do rompimento, um facho de luz irá cortar o ar e iluminar uma drusa de cristais, conjunto de joias arranjadas pela natureza, materializando a luz que naquele dia não veio.
O Memorial também contará com um Monumento às Vítimas Fatais, uma grande cabeça em formato de um quadrado instável, representando o sentir e o chorar - os gestos mais humanos de quem se depara com o impacto da perda - que serão transformados em trajetória, pois sob ele haverá um percurso em forma de fenda escavada com os nomes das vítimas, dispostos para sejam desvelados pelos visitantes, na medida em que caminham.

A idealização do espaço contou com a participação da comunidade de Brumadinho para que, assim, o Memorial se configurasse como um espaço de pertencimento, de identificação e coletividade. "A nossa tarefa face à realidade da dor das famílias nos coloca em uma posição de profunda humildade. A voz, a única voz, é a das testemunhas. A narrativa pertence a quem não pode mais falar e àqueles que ficaram no pesar. Não há consolo que possa ser materializado nessas circunstâncias. Resistimos ao apagamento do tempo e da história", avalia Gustavo Penna. Pra conferir o video ilustartivo e mais informações, Vale o Clique!

Via Gustavo Penna 


domingo, 14 de junho de 2020

Série de fotografias aéreas mostra o impacto do coronavírus na aviação

A pandemia de COVID-19 transformou a maneira como viajamos e nos reunimos. À medida que as ruas e espaços públicos se esvaziaram e as pessoas passaram a praticar o isolamento social, aeroportos de todo o mundo também sofreram um tremendo declínio no número de passageiros e voos. A indústria da aviação moldou a globalização, mas também contribuiu com a velocidade com que a doença se espalhou pelo mundo. Em uma recente série de imagens aéreas, o fotógrafo Tom Hegen explora o impacto da pandemia na aviação.

Segundo Hegen, com a popularização da aviação civil, pessoas e mercadorias passaram a ser transportados mais rapidamente pelos continentes. Mas esse intenso trabalho em rede também significa que as doenças estão se espalhando mais rapidamente do que nunca. Devido à globalização, o coronavírus foi capaz de se espalhar por todas as partes do mundo e praticamente destruir a convivência pública. Em abril de 2020, o tráfego aéreo mundial mostrou cifras assustadoramente baixas – em muitos aeroportos do mundo, pistas foram fechadas e estão sendo usadas como estacionamento de aeronaves. Os aviões, que antes eram ícones da globalização, se tornaram símbolos do atual bloqueio.

Na mesma linha do trabalho de Hegen, o The New York Times publicou recentemente um artigo intitulado The Great Empty, que apresenta uma nova face da vida urbana. Da Times Square em Nova Iorque à Place de la Concorde em Paris, fotógrafos estão registrando essas "cidades vazias" em um momento decisivo. Hegen acredita que, como sociedade global, podemos aprender com essa crise, e sugere que "as cadeias globais de suprimentos, atualmente interrompidas, devem ser revistas e, talvez, a produção possa ser trazida de volta aos países onde estes produtos são vendidos ao consumidor final."

Para conferir mais fotografias e matéria completa, Vale o Clique!

Via ArchDaily



quarta-feira, 10 de junho de 2020

4° Prêmio Rosa Kliass - Concurso Universitário Nacional de Arquitetura da Paisagem da Associação Brasileira de Arquitetos da Paisagem.


Lançado o 4° Prêmio Rosa Kliass - Concurso Universitário Nacional de Arquitetura da Paisagem da Associação Brasileira de Arquitetos da Paisagem. 

Podem participar os formandos que tenham desenvolvido seu trabalho final de graduação e concluído o curso de Arquitetura e Urbanismo no ano de 2019, em cursos brasileiros devidamente autorizados pelo Ministério da Educação (MEC).


O objetivo é reunir projetos de arquitetura paisagística produzidos na universidade de modo a investigar quais iniciativas de projeto sobre o tema vem sendo realizadas, incentivando, assim, a participação conjunta das universidades ao evento que relacionem a produção do homem junto à paisagem. 

Participe e abap-se!

Para mais informações consulte aqui.

Em caso de dúvida contatar: francinesakata@gmail.com

domingo, 7 de junho de 2020

Baixe gratuitamente o livro "Arquitetura para Colorir" de Carmelina&Aurelio

O Taller de Arquitectura Carmelina&Aurelio, de Tuxtla Gutiérrez no México, lançou um livro com ilustrações de obras famosas da arquitetura para colorir. A publicação em formato PDF está disponível gratuitamente para download e conta com obras de Oscar Niemeyer, Luis Barragán, Sordo Madaleno Arquitectos, entre outros. Para download do pdf, Vale o Clique!



Via ArchDaily


sábado, 6 de junho de 2020

Ikea libera projeto de casinhas para abelhas

 Na última quarta-feira (20) foi celebrado o Dia Mundial das Abelhas. Essenciais para a produção de alimentos, estes agentes polinizadores estão morrendo pela aplicação de agrotóxicos nos cultivos e pela perda de habitat natural. Entre os esforços para reverter o declínio das abelhas, há grupos que incentivam a criação de abelhas sem ferrão.

Neste sentido, o projeto “beehome” da empresa sueca Ikea pode ser útil. A ideia é criar casinhas de madeira para abelhas.

O projeto está dividido em três etapas. A primeira delas é escolher o design que deseja tendo como base parâmetros predefinidos. Você pode selecionar altura, quantidade de andares e qual será a base da casa – isso muda conforme onde pretende instalá-la – telhado ou quintal, por exemplo.

Em seguida, poderá fazer o download do design instantaneamente e de graça. Depois basta procurar um marceneiro para fazer os cortes ou, se tiver habilidades manuais, fazer você mesmo.

O download do design é bem detalhado e dá várias dicas. Desde a escolha da madeira até os cuidados para manutenção da casinha depois de pronta. O último passo é plantar flores ao redor da “residência” para atrair as abelhas. O projeto, que tem código aberto, foi criado pelo SPACE10 – centro de inovação externo da IKea – em parceria com o estúdio Bakken & Bæck e a designer Tanita Klein. Vale o Clique!




Via Ciclo Vivo




sexta-feira, 5 de junho de 2020

Casa de Papelão promete durabilidade de até 100 anos

Na Holanda, o estúdio de design Fiction Factory criou um conceito de imóvel barato e sustentável, com durabilidade de até 100 anos.

A casa feita de papelão sai em torno de 25 mil euros e, além de ser três vezes mais sustentável que as de alvenaria populares, pode ser construída em apenas 24 horas. O imóvel é feito em blocos e, por isso, pode ser desmontado e transferido para outro lugar.

De acordo com os fabricantes, o segredo para que a casa de papelão resista a ventos e chuvas é uma supercola que une as diversas camadas do material, que é coberto posteriormente com madeiras ou outra opção mais resistente à escolha do proprietário.

Os desenvolvedores garantem que a casa é super confortável e os moradores podem fazer dentro dela exatamente as mesmas coisas que fariam em uma casa de concreto. Hoje só existem 12 unidades da casa de papelão, mas os responsáveis querem popularizar o conceito para o mundo inteiro.

Via Zupi

quinta-feira, 4 de junho de 2020

BIM para paisagismo: cenários, possibilidades e avanços

Caminhamos para um cenário onde a tecnologia BIM irá nos ajudar amplamente a maximizar as funções e habilidades dos profissionais da construção civil, abrindo espaço para que possamos planejar, projetar, construir e gerenciar edificações e infraestruturas com muito mais eficiência, integrando todos os sistemas estruturais, mecânicos, elétricos e hidráulicos de maneira responsável, econômica e sustentável.

A tecnologia BIM, que chegou ao Brasil há mais de 15 anos, traz inúmeras vantagens e desafios que são do conhecimento dos profissionais, que contam hoje com rasos incentivos e iniciativas públicas. Os desafios para mergulhar fundo e migrar para o BIM, exigem que estejamos preparados para as mudanças que a tecnologia nos propõe. Considerando os obstáculos culturais e processuais, temos um cenário nacional onde as ferramentas BIM são bastante conhecidas e estão em processo de evolução quanto ao seu entendimento e aprofundamento, sobretudo nos grandes centros urbanos onde cada vez fica mais difícil escapar à cadeia de inovação tecnológica.

O investimento dos profissionais na área é imprescindível para que todo o coletivo possa aumentar o nível de aperfeiçoamento. Para os profissionais paisagistas é necessário maior empenho para entender como se comportar dentro desse novo universo de modelagem inteligente e como, a partir dos projetos de arquitetura da paisagem, poderiam contribuir para a multidisciplinaridade que o BIM carrega.

A área de paisagismo encontra barreiras na implantação do sistema BIM, pois os softwares mais populares como Revit e ArchiCad não englobam ferramentas específicas para suprir as necessidades da área, o que torna maior e mais complexo o desafio, pois é necessário o desenvolvimento de um plano de ação que aborda não só os processos relativos ao uso dos softwares, mas também uma metodologia de uso que adapte de maneira inteligente as ferramentas oferecidas pelo mercado.

Nesse contexto encontramos um cenário onde a maioria das empresas continua a trabalhar da forma tradicional e justificam pela falta de ferramentas, responsabilizando os desenvolvedores, esses por sua vez não encontram peso nas reclamações, sugestões e propostas de novas ferramentas vindas dos profissionais, afinal os mesmos não as usam, e assim se forma o ciclo da paralisação tecnológica, onde não avançamos e se torna cada vez mais difícil e justificável não sair dele.

O desafio de adaptar as ferramentas disponíveis no Revit para a modelagem paisagística começa quando se percebe que elementos básicos da representação não existem, e passa a ser necessário o desenvolvimento e adaptação de praticamente tudo. Das famílias de vegetação com bases de dados relevantes, passando pelo mobiliários, iluminação, terreno, materiais e chegando na documentação dos projetos paisagísticos. Mais detalhes, Vale o Clique!

Via ArchDaily

quarta-feira, 3 de junho de 2020

Concurso Internacional de Ideias – Viktor Nilsen – Mariupol – Ucrânia






Concurso Internacional de Ideias para a escolha da melhor proposta de Desenho Urbano e Paisgaismo da praça Vyzvolennia e a revitalização e conversão de edifício histórico e o entorno imediato em centro comunitário, em Mariupol, na Ucrânia.

Promoção:
Conselho Municipal de Mariupol

Apoio:
União Nacional de Arquitetos da Ucrânia

Quem pode participar:
Profissionais de arquitetura e urbanismo, sem restrição de nacionalidade.

Tipo de concurso:
Internacional, aberto, de ideias.

Cronograma:
07/08/2020 – Prazo final para envio do projeto
25/09/2020 – Julgamento
26/09/2020 – Resultado

Premiação:
Primeiro lugar: ~ 5.500 USD
Segundo lugar: ~ 3.700 USD
Terceiro lugar: ~ 1.850 USD

Mais detalhes, Vale o Clique!

Via Concursos de Projeto

terça-feira, 2 de junho de 2020

Produtividade no Home Office - 10 ferramentas de gerenciamento

Como comentamos no artigo anterior sobre dicas para produtividade em Home Office, as ferramentas que você vai escolher tem um papel crucial no ganho ou na perda de tempo para fazer cada atividade.

Organizar seu tempo com suas tarefas é algo que nem sempre é fácil e exige muita dedicação e, até mesmo, abnegar várias vontades que nos fazem procrastinar, como terminar algum episódio daquela série, ver o próximo item do feed do Instagram (porque depois vem o próximo, e o próximo…), ou ficar pulando de uma tarefa para a outra sem terminar um tópico.

Como é fácil encontrarmos coisas que podem nos prejudicar nesse momento, separamos aqui algumas ferramentas muito úteis, que vão te ajudar especialmente nesse tempo.

Pesquisas indicam há anos que a curva de profissionais freelancers estava crescendo cada vez mais, e a crise causada pelo COVID-19 provavelmente fará esse gráfico disparar ainda mais para o topo.

Por isso, mesmo que você esteja trabalhando em casa mas como funcionário de uma empresa, aprender técnicas e ferramentas para gerenciar seu tempo é fundamental, tanto para você, como para seu empregador. Para mais informações e detalhes dos aplicativos, Vale o Clique!

Via Designerd

segunda-feira, 1 de junho de 2020

1° Ideathon Lab - Soluções Inovadoras de Prototipagem para Saúde

O que é
O 1º Ideathon Lab é uma maratona de prototipação, aberta, colaborativa e inovadora, em que equipes competem entre si para o desenvolvimento de soluções que possam atender a necessidades da saúde pública.

Quem pode participar?
Pessoas criativas com idade acima de 18 anos e que tenham interesse em desenvolver soluções inovadoras aplicáveis em eventos de risco à saúde pública, sendo sua participação no 1º Ideathon Lab voluntária, nominativa e intransferível.

Como se inscrever?
As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas por equipes de dois a cinco integrantes, exclusivamente por meio do formulário eletrônico, entre o dia 29 de maio e o dia 09 de junho de 2020 até às 18h00 (dezoito horas), horário de Brasília.

A inscrição no 1º Ideathon Lab implicará na plena aceitação do teor do Edital.

Pemiação
As equipes colocadas nos três primeiros lugares receberão premiação em dinheiro, como descrito a seguir:
• 1º lugar – R$ 5.000,00 (cinco mil reais);
• 2º lugar – R$ 3.000,00 (três mil reais); e
• 3º lugar – R$ 2.000,00 (dois mil reais).

Os projetos classificados do 1º ao 5º lugar receberão também o direito de 15 horas de utilização de equipamentos no IPElab. Os insumos serão custeados pelo IPElab de acordo com sua disponibilidade no estoque.

Todos participantes do 1º Ideathon Lab receberão certificado de participação.

Cronograma
29/05/2020: Lançamento do 1º Ideathon Lab
29/05 a 09/06/2020: Período de inscrição
10/06/2020: Capacitação online (Criatividade, Design Thinking e Pitch)
10 a 21/06/2020: Desenvolvimento e validação
22/06/2020: Envio das soluções (projetos digitais)
23 a 26/06/2020: Avaliação e seleção das melhores soluções
29/06/2020: Divulgação das equipes selecionadas
03 a 05.07/2020: Prototipagem e validação
09/07/2020: Prazo final para entrega do protótipo e vídeo
11/07/2020: Banca Final e Premiação

Mais informações leia o Edital. Vale o Clique!

Via CEI / UFG


MIT e Harvard desenvolvem máscara que se acende quando detecta Covid-19

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, MIT e da Universidade Harvard desenvolveram uma máscara de proteção que será capaz de detectar se a pessoa está infectada com o novo coronavírus, causador da Covid-19.

Sempre que o indíviduo tossir, espirrar ou respirar, uma luz fluorescente se acenderá. Para os pesquisadores, isso poderá ajudar a sanar o problema recorrente da falta de testes, uma vez que os doutores podem colocar a máscara nos pacientes e descobrir rapidamente, sem precisar levar os exames a um laboratório, e assim diagnosticar se eles têm ou não a Covid-19.

A tecnologia será adaptada de um teste feito em 2014 pelo MIT, quando cientistas começaram a desenvolver sensores que poderiam detectar o vírus do ebola uma vez congelado em papel. O laboratório das universidades, em 2018, já foi capaz de detectar sars, sarampo, influenza, hepatite C, dentre outras doenças, com a ajuda de tais sensores.

“A máscara poderá ser usada em aeroportos, quando passamos pelo sistema de segurança, ou enquanto esperamos para entrar em um avião. Nós poderemos usá-la para ir trabalhar. Hospitais poderão usar para pessoas em salas de espera ou para avaliar quem está infectado”, afirmou Jim Collins, do MIT, em entrevista ao Business Insider.

De acordo com Collins, o projeto ainda está “no começo”, mas mostrou resultados promissores e, nas últimas semanas, ele e o time de pesquisadores estão testando o objeto para ser capaz de detectar o coronavírus em pequenas amostras de saliva. A expectativa é provar que a teoria funciona também na prática já nas próximas semanas.

Os sensores necessitam de dois artifícios para serem ativados:

Umidade adquirida através da saliva, por exemplo;
Detectar a sequência genética do vírus;
A umidade, então, é congelada no tecido da máscara e pode ficar estável em temperatura ambiente, que segundo os pesquisadores por meses.

A máscara poderá detectar a Covid-19 entre 1 a 3 horas após o uso. Hoje em dia, o resultado dos testes comuns sai em 24 horas — ou até mais.

As máscaras podem ser também uma alternativa aos termômetros, uma vez que eles não conseguem identificar pacientes assintomáticos.

Para que as máscaras atendam à demanda de usuários durante a pandemia da Covid-19, será necessário que elas fossem de baixo custo e pudessem ser produzidas e distribuídas em massa o mais rápido possível. Entretanto, essas abordagens de negócio/mercado ainda estão distantes pois as máscaras estão em fase de testes.

Via Engenharia É

domingo, 31 de maio de 2020

16 criativos cartões de visitas





O cartão de visita é praticamente um item obrigatório pra quem deseja divulgar seus serviços, afinal de contas, em um pequeno ‘pedaço de papel’ você pode colocar informações importantes que certamente atrairão ou fidelizarão clientes.

Como já se tornou algo comum, muita gente está inovando até mesmo nisso. Confira agora 16 cartões de visita tão grandes que os nomes de seus donos não importam. Vale o Clique!








Via Criatives



sábado, 30 de maio de 2020

Como o design pode te ajudar a ser mais organizado

Design e organização, ao meu ver, são estreitamente ligados, pois muito da nossa abordagem para resolver problemas é pautada em afunilar e refinar ideias, e para isso, é necessário um forte senso de organização.

Neste artigo eu vou falar um pouco sobre organização, mas trazendo um viés do design para isso, explicando um princípio básico chamado de cinco cabides, que retirei do livro de design teórico “Universal Principles of Design”, que já nos inicia à cultura da organização.

Por que organizar?
O argumento mais forte para estudarmos organização é quando entendemos que design é lidar com informações. E quando falamos de Design Gráfico, estamos falando em converter informações em um visual atraente, mas antes de qualquer “atraência”, lidar com informações é o primeiro passo.

Uma metodologia muito presente no Design Thinking é o Double Diamond, ou duplo diamante. Ela consiste em um processo de divergência e convergência duplo onde entendemos um problema e apontamos para uma solução mais adequada.

O Double Diamond é dividido em 4 etapas: descoberta, definição, desenvolvimento e entrega.

Posso falar especificamente sobre essas etapas em outro momento, pois o que é interessante que entendamos é como o processo de design tende a se pautar em juntar informações por meio de pesquisa para enfim organizar e depois repetir o processo.

Princípio dos cinco cabides
Esse princípio de nome curioso nos traz cinco maneiras pelas quais podemos organizar e agrupar informações. Obviamente existem outras formas, mas vamos tirar essas cinco como ponto de partida.

De forma prática, organizar informações é útil para designers para o momento de disposição dos itens em tela. Isso fica muito evidente com o Design Gráfico e conversa bastante com o princípio de organização, onde itens similares precisam estar próximos.

1- Categoria
Segundo o livro, categoria se refere à organização por semelhança ou afinidade. Quando organizamos os livros em uma prateleira, por exemplo, a organização pode ser feita a partir desse modelo. Livros de ficção podem ficar juntos assim como os livros de Design ou Empreendedorismo também podem se agrupar entre si.

2- Tempo
Aqui nos referimos à uma organização por ordem cronológica. De maneira bem simples, a escolha por esse modelo de organização nos permite entender as linhas do tempo.

Imagine a organização de um calendário de contas para pagar, por exemplo, em vez de organizar as contas por preço, você pode organizá-las por dia de pagamento, o que facilita uma compreensão rápida e visual.

3- Local
Organizar por local refere-se a organização por referência geográfica ou espacial. A melhor forma de exemplificar isso é por meio de uma lista de compras (talvez eu seja muito dono de casa).

Quando você organiza uma lista de compras, vê as pendências de casa para assim listá-las e quer aproveitar ao máximo o seu tempo no mercado, organizar por referência geográfica pode ser um bom caminho. Cebola, tomate e pimentão, estando próximos na lista, vai ajudar quando chegar na sessão, permitindo pegar todos os itens de uma vez.

4- Ordem alfabética
Organizar por ordem alfabética, normalmente, é utilizado quando existe grande volume de informações.

Claro, todas as formas de organizar deste princípio são possibilidades, as informações que vão direcionar o modelo mais adequado.

5- Contínuo
O último modelo pode ser entendido como organização por magnitude. Quando vemos e-commerces, por exemplo, podemos filtrar a busca por relevância, do maior ao menor preço, mais ao menos vendido. O intuito desse modelo é gerar uma comparação com uma medida comum, algo que segue um percurso linear, contínuo.

Definição de prioridades
Antes de escolher o modelo de organização, entenda qual o objetivo daquela organização. Uma frase que tenho falado muito nos últimos dias é que o design está a favor da informação, e não o contrário. E nesse tópico sobre definição de prioridades eu quero falar justamente sobre isso.

Utilize o Double Diamond para refinar sua pesquisa, convirja conscientemente, isto é, tenha um objetivo bem definido. Definir prioridades é abrir mão de determinadas coisas em prol de outras, mas para isso é preciso conhecer o objetivo que se deseja alcançar.

No exemplo da lista de compras, meu objetivo era ser mais eficiente e não perder muito tempo no mercado. A solução que encontrei para isso foi organizar os itens da lista por proximidade, me ajudando a colocar em lote os itens do carrinho.

Conclusão
Eu sei que é muito bom falar sobre design por meio de Software, mas nos últimos meses tenho sentido que seja insuficiente. Acredito que o design vai muito além disso. Acredito que existem princípios e teorias que fortalecem muito mais a ideia sobre quem é o designer do que um software aberto.

É evidente que sei o valor do software, mas quando falo sobre organização, também trago um aspecto prático do design à vida. E a melhor forma de introspectar o design na vida, além de layouts e logotipos, é inserindo-o na vida das formas mais diversas, como numa lista de compras ou organização de livros.

Via Designerd

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Plataforma online reúne 280 publicações e livros de fotografia

Pesquisadores e entusiastas da fotografia têm agora mais uma grande ferramenta à disposição. Acaba de ser lançada a Base de Dados de Livros de Fotografia (BDLF): uma plataforma de referências bibliográficas exclusivamente dedicada aos livros fotográficos. O projeto foi idealizado pelo fotógrafo e pesquisador Leonardo Wen, e começou a ser executado em 2018, com financiamento do edital Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal.

Trata-se de uma ferramenta inédita, no Brasil e no mundo, que se destaca pela possibilidade de aproximar o leitor das obras catalogadas. Cada título possui uma página de apresentação própria na plataforma, que além das informações bibliográficas, traz também uma porta de acesso ao livro: seja visualizando algumas das páginas digitalizadas; seja passando virtualmente as páginas daquelas que estão em formato PDF; seja através de vídeos demonstrativos.

Cada fotógrafo(a) e cada editora citada também possui uma página de apresentação, com a listagem de publicações relacionadas ao seu nome. Há, ainda, uma seção de Artigos no site. Assim, além de funcionar como base de dados e biblioteca digital, a BDLF constitui-se também um espaço de reflexão crítica sobre fotografia e artes gráficas. Todas as 280 publicações catalogadas nesta etapa tratam de Brasília, e foram lançadas desde a época da construção da cidade até os dias de hoje. São publicações de diversos tipos: coletâneas, catálogos (de exposição, turísticos e institucionais), entrevistas, zines, revistas, jornais, livros de artista etc..

A BDLF, entretanto, não se resume a Brasília: a intenção é abarcar toda a produção editorial brasileira de livros de fotografia no longo prazo, com a possibilidade de abrir-se a outros países latino-americanos. A 2ª etapa do projeto será lançada em outubro de 2020, e abarcará os livros de teoria, crítica e história da fotografia, produzidos desde 1970 por pesquisadores brasileiros. Já a 3ª etapa, prevista para ser lançada em fevereiro de 2021, focará nas publicações fotográficas lançadas entre os anos de 2010 e 2020 em nível nacional, com foco nas editoras de pequeno e médio porte e nas obras auto-publicadas. A 4ª etapa, prevista para 2022, abarcará a produção editorial dos anos 1980, 1990 e 2000.

O objetivo da plataforma é contribuir para a documentação, difusão e proteção dos livros de fotografia enquanto segmento do patrimônio bibliográfico nacional.  Acesse a Base de Dados de Livros de Fotografia e navegue pelo acervo de livros de fotografia. Confira que, Vale o Clique!

Via ArchDaily 

quinta-feira, 28 de maio de 2020

Planejamento urbano e epidemias: como doenças do passado transformaram as cidades

Cidades e epidemias têm uma relação intrincada. Ao longo da história, cidades se constituíram como locais propícios à disseminação de doenças. Centros econômicos, sociais e culturais, vocacionadas para conectar ideias e desenvolver soluções, responderam às epidemias com inovação. Mas a melhoria do espaço urbano – com saneamento e fornecimento de água, construção de parques e espaços abertos, melhores condições de transporte – frequentemente veio acompanhada da recriação da cidade precária nas periferias.

Inequidade, aglomeração, falta de infraestrutura, poluição do ar. O mundo chacoalhado pela Covid-19expõe desafios da vida urbana com mais clareza do que o habitual. Relembrar como as cidades responderam às pandemias do passado ajuda a refletir sobre as mudanças mais urgentes. Muitos desafios das cidades de nosso tempo têm sua origem em tentativas passadas de fazer dos centros urbanos lugares mais sadios e acolhedores. Desta vez, temos de responder melhor.


Cidades e doenças: uma relação de longa data
O Renascimento foi um período profícuo para o pensamento sobre a cidade. Castigada havia mais de um século por surtos recorrentes de peste bubônica, a Europa viu surgir, entre filósofos, artistas e cientistas, idealizações de cidade utópicas. Por volta de 1486, Leonardo Da Vinci esboçou o projeto de uma cidade às margens do rio Ticino, pensada para facilitar o transporte de bens e abrigar espaços urbanos limpos. A largura das ruas era compatível com a altura dos prédios, garantindo a insolação tão rara na Milão de ruas estreitas e sujas da época.

Conhecedor das propriedades da água e do ciclo hidrológico, Da Vinci pensou a cidade de modo a conter inundações e garantir irrigação e navegação e garantir que pedestres não disputassem espaço com outras formas de tráfego. Projetada em três camadas, a cidade tinha o nível da rua reservado para cavalos e charretes, como uma "zona comercial". O nível superior era exclusivo para pedestres, e o subterrâneo era perpassado por uma rede de canais conectando os porões das edificações.

A cidade ideal de Da Vinci era uma cidade inteligente séculos antes do termo entrar em voga – mas não passou disso, uma idealização que inspirou intervenções em uma ou outra cidade. Muitas das ideias do gênio italiano só foram implementadas pelos modernistas – não por acaso, outro movimento surgido na esteira de experiências traumáticas: a Primeira Guerra Mundial e a ainda mais letal pandemia de gripe espanhola. Até lá, as doenças – e a tentativa de evitá-las – seguiram como um dos motores das ideias e ações humanas sobre o espaço urbano. Para conferir matéria completa, Vale o Clique!

Via ArchDaily

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Obras famosas recriadas no contexto pandemia do Covid-19

Estamos vivendo um período histórico na humanidade que com certeza estará estampado nas páginas dos livros de história daqui alguns anos, um vírus invisível se espalhou pelo mundo e obrigou todas as pessoas a ficarem dentro de casa para salvar não só a própria vida, como também a vida daqueles que são mais vulneráveis ao Covid-19.

Todos esses momentos são retratados através obras de arte, poemas, dentre outras formas de expressões, mas como seriam pinturas antigas se tivessem sido criadas durante a pandemia do coronavírus? A agência Looma criou uma campanha super divertida que partiu dessa ideia. Para conferir mais, Vale o Clique!
















Via Criatives